Corpo-mestre

às vezes, a palavra é dura perdoem-me, estou cansado de frescura às vezes, a paciência é pequena perdoem-me, tentarei ser mais amena às vezes, o equilíbrio me foge perdoem-me, ainda há partes cobre ás vezes, a sanidade é inimiga perdoem-me, alguns padrões não são amigos às vezes, a Terra urge um norte perdoem-me, sou do... Continue lendo →

Onde eu me encontro?

o barulho escuto lá fora é o grito geme aqui dentro a loucura enxergo lá fora é a procura arde aqui dentro o mal condeno lá fora é a faca me corto aqui dentro felicidade buscam lá fora eu me rasgo pra achar aqui dentro tortura sofrem lá fora eu me imputo sofro aqui dentro... Continue lendo →

Crença Indivíduo

A pele me força o andar ardem as queimaduras do passado e a constante busca pelo preenchimento do vazio faz-me morrer o paraíso (o fluxo inerente ao sorrir) que aqui, mora, e agora resta-me reconstituir os cortes e a sorte de ser quem eu também sou quando da estática crença indivíduo eu me afasto e... Continue lendo →

Escaladas

Ainda, na cama, deitado acordado, porém enfeitiçado por sonhos que me elevam e me levam a montanhas que ainda não escalei já que a subida é forte mas eu sou um cara de sorte e depois de tudo que passei eu sei que não há árdua caminhada que me tire da alma a leveza ou... Continue lendo →

Ansiedade

Será o medo de perder? Será o peso de viver? Será insegurança Ou aversão à mudança? As horas correm demais, Jazemos ao lado do presente que traz O cintilar da luz que nos brilha O segredo para a melhor trilha. Sonoras são as ondas Que nos definem o coração, Seja matéria ou energia em dispersão.... Continue lendo →

Digestão

Rodeados por montanhas Vasculhamos as entranhas Digerimos o medo embora E cravamos paz afora. Informação é luz Mas há que não a enxergue Nem por dura cruz. Cama dura mente flua Lá em cima já vem lua: Desafie a morte Não se ocupe do medo, Tarda a sorte Mas não se vive detento! Uivantes folhas... Continue lendo →

Invenção

The English version is right bellow Invento a sorte ao vento Que leve a morte embora Encerre a falsa vida Fluir o medo é hora. O ar não para É constante respiração Somos o conjunto Terra. Enquanto houver respiro É pra ti que miro O foco alto a gritar Da essência que nasce ao luar.... Continue lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑