Qual a diferença?

Talvez a saída seja a fé Seja no santo seja no rapé Não consigo ver tanta diferença Seja qual for a crença. Símbolos vagantes Destoantes Tudo que dizem é o mesmo Se se anula a diferença Permanece quiçá a tal crença. Para uns Shiva Para outros Jesus, Para alguns Maomé Para mim meu próprio pé.... Continuar Lendo →

Anúncios

União

Agora é a vez do coletivo. Evoluirmos não só o umbigo Para trabalharmos em conjunto, Quem sabe assim Juntamos o mundo. Agora é a vez de todo mundo. Ninguém ficará sem intuito, De todos, podemos juntar e somar Já que todos tem algo a doar. Agora é a vez do planeta. Hora de pararmos de... Continuar Lendo →

Memória

Símbolo extenso sempre perdido, mais que querido. Fragmentos de seres que se perdem em emoções Internalizadas por experiências, por vezes, traumáticas:  Recalque. Crianças aprendem que dependem da memória. Se não se lembra, é mentira. Como assim? O que é verdade? Perdidos em dicotomias semânticas, vagamos pela infância, puberdade e adolescência tornamo-nos adultos desmemoriados. Frutos da... Continuar Lendo →

A insanidade da dualidade

Abro a janela, a lua grita: “Pare de se controlar Já é tarde demais Lucidez pra quê? É vida!” Seu brilho ainda tenta equalizar As subdivisões da consciência, “Divisões não há! Conheça todos seus Eus Multidimensionalidade é para ser amiga Você é quem faz sua mente inimiga”. Preto e branco é um só, São interpretações... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: