Escravos

perdeu-se o sentido houve alguma vez? a vítima se apaixona pelo estuprador a dor sentida chorada gemida grita as reticências da repetição, sem lamentação muitos imploram o estupro da dignidade imploram a regência da morte da liberdade retorno ao fanatismo extremo dos que não se conhecem permanecem, submersos em predileções perdidos em negações amputações internalizadas... Continuar Lendo →

Desalento

As palavras tentam me sair sou eu que me saio perscruto exteriores almejando interiores bato a cabeça em maus amores julgamentos baseados em dores sou eu ou sou ele? eles vocês nós quem somos? vestígios de guerras pós ou martírios quimeras nós? penso penso penso quando percebo estou desatento ao que estou: ausente presente na... Continuar Lendo →

Espaço-tempo

Poetizo o espaço não sou feito de aço mas sei que o que faço é tentar me livrar dos sapatos com certeza nasci para andar mas descalço. Poetizo o tempo o momento a cada instante um velho tormento morre e estou mais presente em cada arrepio a pele me sente. Felipe Abras Para conhecer um... Continuar Lendo →

Poesia, magia ou ciência?

Será poesia Magia Ou pura ciência? A busca é constante Qual seja a via. Se por uma lente Eu busco expandir Talvez com as palavras O objetivo há de vir. O fixo é maleável Às vezes, insuportável. Se uma teoria me diz Alguém que o quis Dizer para um fato Seu próprio encargo. Na pele,... Continuar Lendo →

Fodida mente

Tem hora que fico afim de escrever mas nem sempre sei o que. Tento escrever sobre um devaneio já me perco antes do meio. Tento escrever sobre uma paixão paro, penso e perco o chão. Tento escrever sobre política e me lembro de verdades fatídicas. Tento escrever sobre economia e me lembro de vidas vazias.... Continuar Lendo →

Ansiedade

Será o medo de perder? Será o peso de viver? Será insegurança Ou aversão à mudança? As horas correm demais, Jazemos ao lado do presente que traz O cintilar da luz que nos brilha O segredo para a melhor trilha. Sonoras são as ondas Que nos definem o coração, Seja matéria ou energia em dispersão.... Continuar Lendo →

Memória

Símbolo extenso sempre perdido, mais que querido. Fragmentos de seres que se perdem em emoções Internalizadas por experiências, por vezes, traumáticas:  Recalque. Crianças aprendem que dependem da memória. Se não se lembra, é mentira. Como assim? O que é verdade? Perdidos em dicotomias semânticas, vagamos pela infância, puberdade e adolescência tornamo-nos adultos desmemoriados. Frutos da... Continuar Lendo →

Chamado

A Terra vive. Mãe. Troncos de conhecimento Montanhas de informação E nós presos em 2 fitas de DNA.Quando é tempo de guardar os livros e colher informações? Será já tempo de imaginar soluções? Tempo não há Presente é agora. Momentum é desconstrução Transmutação Voos rasantes ao centro da Terra Informação em matéria. Soluções estão em... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑