Sonho ou realidade?

A distância entre o sonho e a realidade é nula: a realidade é o sonho e o sonho é realidade a separação é, mais um vez ilusão. Se a intenção é um sonho real saiamos do nosso ideal de conforto vasculhemos emoções desapeguemos cantemos canções e nos arredemos, do que nos faz mal para num … Continue lendo Sonho ou realidade?

Larva-palavra

Na tentativa de ser impecável com a palavra perscruto em cada fala que me sai desejos medos ansiedades e receios, tem hora que encontro larvas mentirinhas que me conto e sinto, por alguns pontos, que a energia se esvai. Engano-me a felicidade por estar onde estou engano-me a estabilidade por ser quem eu sou tem … Continue lendo Larva-palavra

Exagerado em emoções

O berço em que me deito é de cristal translucidamente, descanso o peito que ora ama demais ora é meu capataz ordena-me passos além do medo, que não quero estar aquém. Vez ou outra ainda me faço refém a carne, por vezes, fraca instiga-me o prazer fácil o açúcar, meu algoz mantém a energia baixa … Continue lendo Exagerado em emoções

Flagelo

Destino à Verdade tudo que há Crente de que a palavra subjaz A intenção pura que a divindade traz. Ludibrio o tempo e o fluxo que há Navega minha pele em tons sobre tons De estórias bifurcadas em redes neuronais Das mais mesmas coisas de sempre. Estranho ao normal, toco peles inconstantes Fogo ameno fago … Continue lendo Flagelo

Paraísos ideais

Algumas manhãs quero o mundo exatamente ao meu prazer: Já não tenho fundo não quero mais ter que assistir ao sofrer. Crio paraísos ideais neles mergulho em desejos bem reais em todos vejo felicidade tanta que até pr'aquela anta eu desejo muita paz. Nestes rompantes egóicos quero todos como eu quero numa perfeição surreal planto … Continue lendo Paraísos ideais

Chorar é preciso

  Em um belo dia eu resolvi controlar A própria dor e até meu chorar, Achava que fugir era a melhor solução O Universo não gostou e dei de cara no chão. Escondi as lágrimas num canto Para não encarar o tanto Que ardia no peito A derrocada compaixão Que dormia sem medo Tranquila, sonhava … Continue lendo Chorar é preciso

Tudo é mente

Entrego a morte ao diabo Ele mesmo que foi inventado Que cuide da criação da mente material. Pratos rasos superfícies Não cabem tamanha deturpação Do maldito imaginário De quase toda a população. Tudo é mente Não invente! Ninguém morre Vai pra Casa. Se os micróbios se aprazem com carne podre Não serei eu a matar … Continue lendo Tudo é mente