Geometria

lápis borracha papel círculos triângulos quadrados a realidade a dimensão geometrias, em dispersão números úteros parem mundos e submundos passo a passo cibernético ilusão imagético. Felipe Abras

Caminhos tortos

A gente tenta ser mais, mas o frio esquenta e sem mais, viver a esmo vira mais uma nuance do cabresto este ponto que nos retiramos e aos poucos nos enganamos sobre o que pode ser ou sobre o que queremos ter, o conforto parece asas eleva-nos a quartos escuros a submundos, de nós mesmos … Continue lendo Caminhos tortos

Se é de átomo, dança!

Se é de átomo dança pegue seus óculos e repare diáfano é o espaço vasculhe bem dentro ache seu centro irá entender que nosso viver não é estático é onda viaja. É um falso desejo de estagnação que para o compasso e faz tanto caso da Criação. Felipe Abras

Seja luz!

Dizem-me: seja luz! apenas estar é fugaz. Porque criei tanto muro? Às vezes, olho o mundo e perco totalmente a paz, passo semanas inteiras cônscio de minhas maneiras e de repente esta insana mente me dói tanto o presente que quero me apagar ao invés de enxergar. Algum padrão ainda impede do instante, aquele breve … Continue lendo Seja luz!

A angústia da separação

Se a mente é limitada compreendemos apenas o que conhecemos o além-mar do sabido é ilha perdida fora do alcance para os que vivem estátuas e não enxergam o paraíso encontrado por náufragos, os que se afogam em si mesmos os que se mergulham fundo sem medo do mundo que encontrarão e dos monstros em … Continue lendo A angústia da separação

Larva-palavra

Na tentativa de ser impecável com a palavra perscruto em cada fala que me sai desejos medos ansiedades e receios, tem hora que encontro larvas mentirinhas que me conto e sinto, por alguns pontos, que a energia se esvai. Engano-me a felicidade por estar onde estou engano-me a estabilidade por ser quem eu sou tem … Continue lendo Larva-palavra

Crença Indivíduo

A pele me força o andar ardem as queimaduras do passado e a constante busca pelo preenchimento do vazio faz-me morrer o paraíso (o fluxo inerente ao sorrir) que aqui, mora, e agora resta-me reconstituir os cortes e a sorte de ser quem eu também sou quando da estática crença indivíduo eu me afasto e … Continue lendo Crença Indivíduo