“O outro em si”

No último domingo, 27/08/2017, eu tive o prazer de assistir ao espetáculo "o outro em si", da Cia Sesc de Dança. Desse momento inenarrável, nasceu o poema: Ele se perdeu andou andou andou e se perdeu em tudo que se envaideceu ele se buscava em todas as portas que escancarava entrava saia os pormenores, media … Continue lendo “O outro em si”

Sonhos

Vivo os sonhos meu ideal, mas em tantos planos vem o real tentar o corte com seu punhal e me ilude a morte tridimensional. Embora os olhos estejam fixos na paz em cena quase sempre e é uma pena vivo a ilusão de ser só chão. Felipe Abras

Digestão

Rodeados por montanhas Vasculhamos as entranhas Digerimos o medo embora E cravamos paz afora. Informação é luz Mas há que não a enxergue Nem por dura cruz. Cama dura mente flua Lá em cima já vem lua: Desafie a morte Não se ocupe do medo, Tarda a sorte Mas não se vive detento! Uivantes folhas … Continue lendo Digestão

A insanidade da dualidade

Abro a janela, a lua grita: “Pare de se controlar Já é tarde demais Lucidez pra quê? É vida!” Seu brilho ainda tenta equalizar As subdivisões da consciência, “Divisões não há! Conheça todos seus Eus Multidimensionalidade é para ser amiga Você é quem faz sua mente inimiga”. Preto e branco é um só, São interpretações … Continue lendo A insanidade da dualidade

Palavras

Palavras... Qual será a real função delas? Pessoas falam, jornais falam, livros falam, televisão fala, outdoor fala e, na verdade, mais escondem do que realmente mostram congruências factuais. Fico intrigado ao perceber que a nossa forma de comunicação, entendida como muito eficiente, é a que mais falha. Se analisamos o indivíduo, é notória a divisão … Continue lendo Palavras

Tudo é mente

Entrego a morte ao diabo Ele mesmo que foi inventado Que cuide da criação da mente material. Pratos rasos superfícies Não cabem tamanha deturpação Do maldito imaginário De quase toda a população. Tudo é mente Não invente! Ninguém morre Vai pra Casa. Se os micróbios se aprazem com carne podre Não serei eu a matar … Continue lendo Tudo é mente

Invenção

Invento a sorte ao vento Que leve a morte embora Encerre a falsa vida Fluir o medo é hora. O ar não para É constante respiração Somos o conjunto Terra. Enquanto houver respiro É pra ti que miro O foco alto a gritar Da essência que nasce ao luar. Invento a sorte aos lentos Os … Continue lendo Invenção