Vidas passadas só que paralelas

O passo que danço é o compasso do canto que me guia a caminhada. Ora tropeço ora me caio, de soslaio, o tombo investigo e me rio. Deixo-me desaguar na esperança da transformação. Rio que me corre as ventas e vai desabar no mar. Oceano que me ondas e me viajas as profundezas de um … Continue lendo Vidas passadas só que paralelas

O real é a imaginação?

tudo sofre separação no universo, é condição dualidade existência tridimensional limitada à compreensão da mente, a confusão escolhas caminhos vagam infinitos não importam cores ou mentes aflitas a realidade se entorta quase se quebra em nossos pés, feitos de pedra: casa ideal carro ideal vestido surreal e o real, onde mora?... na imaginação? Felipe Abras

Gratidão

aos que aqui agora lutam sangram batalham por minorias expresso minha gratidão e vos digo: não será em vão! cada passo cada grito cada bala que carregamos no peito são escadas da evolução. viver é sentir amar construir perder chorar aprender criar e dançar, a morte é ilusão morre todo dia quem não se levanta … Continue lendo Gratidão

Corpo-computador

Corpos-computadores dados criacionais gravados em DNAs o acesso é árduo obriga-nos a computar dores apegos crenças falsos amores vasos em que plantamos sonhos estáveis demais para serem reais. O fluxo constante impede-nos o estanque do instante criado em esperança de se eternizar a criança não dorme não descansa com vistas a construir melhor dança que … Continue lendo Corpo-computador

Perdão

Nas mãos vejo mapas. predisposições a reações escritas em passados. em muito era maltratado, parte de um jogo emocional... perdido... logrado em trocas defasadas por um amor cobrado. não sentido. imaginado. limites não impostos que portas fecharam. dentro. no peito, dilacerado. só queria amor, ganhava exageros incompreensões. individualizadas intenções. pra um tem noção. em dois, … Continue lendo Perdão

Desalento

As palavras tentam me sair sou eu que me saio perscruto exteriores almejando interiores bato a cabeça em maus amores julgamentos baseados em dores sou eu ou sou ele? eles vocês nós quem somos? vestígios de guerras pós ou martírios quimeras nós? penso penso penso quando percebo estou desatento ao que estou: ausente presente na … Continue lendo Desalento

Sou Bruxa

Sou Bruxa estou aqui para queimar o antigo e o sofrido tempo, por qual passamos inebriados por nós mesmos frutos de escolhas que mais eram sociais que nos trouxeram paz. Sou Bruxa já morri queimada sou eterna voltei pra renovar o que não pude acabar. Sou Bruxa minha magia é destruição fogo renovação se você … Continue lendo Sou Bruxa