Corpo-mestre

às vezes, a palavra é dura perdoem-me, estou cansado de frescura às vezes, a paciência é pequena perdoem-me, tentarei ser mais amena às vezes, o equilíbrio me foge perdoem-me, ainda há partes cobre ás vezes, a sanidade é inimiga perdoem-me, alguns padrões não são amigos às vezes, a Terra urge um norte perdoem-me, sou do... Continue lendo →

Perdão

Nas mãos vejo mapas. predisposições a reações escritas em passados. em muito era maltratado, parte de um jogo emocional... perdido... logrado em trocas defasadas por um amor cobrado. não sentido. imaginado. limites não impostos que portas fecharam. dentro. no peito, dilacerado. só queria amor, ganhava exageros incompreensões. individualizadas intenções. pra um tem noção. em dois,... Continue lendo →

Só sei que danço

Às vezes, fico em dúvida se danço as letras ou o coração, sou levado pelo movimento sejam das ondas em dispersão ou da minha mente em confusão, só sei que danço não importa a hora ou a intenção o que vigora é a canção o ohm eterno dos paralelos encontram paz sem direção seja na... Continue lendo →

Ópio vacilante

Leituras amenas disfarçam, pequenas o gigantismo das intenções simples, crianças atentas aos menores detalhes da vida, o emaranhado uma colcha de retalhos costurada em goles inconscientes do veneno social do caralho perpetrado às escuras mas alcança alturas sobre humanas desumanas, quiçá aniquilantes o ópio vacilante que não nos alcança o Todo mas nos limita em... Continue lendo →

Sonho ou realidade?

A distância entre o sonho e a realidade é nula: a realidade é o sonho e o sonho é realidade a separação é, mais um vez ilusão. Se a intenção é um sonho real saiamos do nosso ideal de conforto vasculhemos emoções desapeguemos cantemos canções e nos arredemos, do que nos faz mal para num... Continue lendo →

Solar

Energia Flui naturalmente De dentro de nossa mente Intenções Além do bem e do mal Reverberam em dispersões Eco Do que pensamos Criamos Voos Imaginados Criam asas De dentro de nossas casas Confluências Desejos de permanência Constringem a existência Do amar A imensidão infinitesimal Compactada Em um só lar Quando pode ser tão grande Quanto... Continue lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑