Navegando a imaginação

constantemente inconstante sigo rumo ao desconhecido amanhã ciente da incógnita presente em cada momento em que no corpo me sinto. sinto cada célula despertar a cada momento sensações de outrora de agora de amanhã e o eterno fluxo atemporal por onde lados brincam a ciranda energética entre ser e não ser na constante criação gozo... Continuar Lendo →

atemporal

consciente de mundos futuros vivo presentes desconstruindo passados altos fatos no corpo ancorados o fim, maus tratos emoções traumas antigos arcaicos o que achávamos que sabíamos passado diante da pele nervos ossos memórias, maus tratos pergaminhos escritos à sangue de magos reis dragões pássaros serpentes palácios num passado presente num futuro não desejado vivido e... Continuar Lendo →

das que fui sou estou

eu no centro falando não quero não sou referência tenho medo não sou controlador e sou sou humilde não sou quero que todos tenham voz e grito quero curar todo mundo adoeço, de mim mesmo quero ser grupo sem ser líder e sou, inconsciente? enxergo o ditador.   Pereço de inação por medo de agir... Continuar Lendo →

Flutuações mentais

constantemente perdidos em flutuações mentais sofrem em ansiedades ao presente, fatais viajam em desperdícios da energia criativa que poderia ser amorosa criação acabam vivendo desilusão. O amanhã é cenário mentalmente gozado na prática não há toque bem dado ou amor visitado o real é preso a um futuro ideal a um passado mal passado nem... Continuar Lendo →

Fodida mente

Tem hora que fico afim de escrever mas nem sempre sei o que. Tento escrever sobre um devaneio já me perco antes do meio. Tento escrever sobre uma paixão paro, penso e perco o chão. Tento escrever sobre política e me lembro de verdades fatídicas. Tento escrever sobre economia e me lembro de vidas vazias.... Continuar Lendo →

Memória

Símbolo extenso sempre perdido, mais que querido. Fragmentos de seres que se perdem em emoções Internalizadas por experiências, por vezes, traumáticas:  Recalque. Crianças aprendem que dependem da memória. Se não se lembra, é mentira. Como assim? O que é verdade? Perdidos em dicotomias semânticas, vagamos pela infância, puberdade e adolescência tornamo-nos adultos desmemoriados. Frutos da... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: