águas afins

abandonado por mim mesmo, há milênios deixei de ser Um para me lograr à dependência. ora manipulando ora me curvando, nadei fortes mares na esperança de ser mais, melhor pra você e pra mim. ora abusado ora abusando, um quase eterno jogo de vítimas e algozes que se amam e fazem contratos de trocas desejos sexos... Continuar Lendo →

Anúncios

real surreal irreal?

um corpo vários pensantes ao léu da imaginação vagam a história criando novas estórias consequências de um novo amor livre sem nexo ou compensação em relação ao que deve ser feito já foi não é mais, só será o que virá e do porvir, ninguém sabe há de ser novo mas tudo que há de... Continuar Lendo →

das que fui sou estou

eu no centro falando não quero não sou referência tenho medo não sou controlador e sou sou humilde não sou quero que todos tenham voz e grito quero curar todo mundo adoeço, de mim mesmo quero ser grupo sem ser líder e sou, inconsciente? enxergo o ditador.   Pereço de inação por medo de agir... Continuar Lendo →

Navegando emoções

intensidade na leveza de ser tudo o que apraz e talvez nem é lazer há descoberta do amor no ódio há mar aberto do desconhecido próximo navegar é necessário seja a paz a tormenta ou caso otário, quem aguenta ondas norte quando o choro é certo e o santo nem tão forte? lágrimas de dor... Continuar Lendo →

tantos Eus

constantemente perdido vivo me encontrando em todo canto em cada célula que me toco em cada copo quebrado relembrando os maus tratos tudo que fui tudo que sou tudo que estou pedaços cadências da música interna, alma perdida ou achada? amada e sentida! separam alma corpo mente emoções em mim sinto uma coisa só, vulcões... Continuar Lendo →

Morte ilusão ou verdade?

a morte o medo verdade? ilusão? será a verdade ilusão será a ilusão verdade? medo todos sentimos alguns paralisam outros se vestem de coragem e seguem contentes a viagem. medo de que se não sabe o que se é? medo pra que se o fim é o início, o recomeço? há morte nos versos diários... Continuar Lendo →

Presença e dança

Na presença, faço-me dança pra amenizar e pesquisar as dores que o corpo alcança. Sei que vieram calar passos cansados de engatinhar tanta miséria ilusionada que me impediam a constância materializada de ser luz canalizada num coração hoje expandido que não vive mais atrito dança e é apenas é presença fluidez e dança. Felipe Abras... Continuar Lendo →

Corpo-mestre

às vezes a palavra é dura estou cansado de frescura às vezes a paciência é pequena perdoem-me, tentarei ser mais amena às vezes, o equilíbrio me foge ainda há partes cobre ás vezes a sanidade é inimiga alguns padrões não são amigos às vezes a Terra urge um norte sou do ar e bem de... Continuar Lendo →

Corpo-computador

Corpos-computadores dados criacionais gravados em DNAs o acesso é árduo obriga-nos a computar dores apegos crenças falsos amores vasos em que plantamos sonhos estáveis demais para serem reais. O fluxo constante impede-nos o estanque do instante criado em esperança de se eternizar a criança não dorme não descansa com vistas a construir melhor dança que... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: