Vidas passadas só que paralelas

O passo que danço é o compasso do canto que me guia a caminhada. Ora tropeço ora me caio, de soslaio, o tombo investigo e me rio. Deixo-me desaguar na esperança da transformação. Rio que me corre as ventas e vai desabar no mar. Oceano que me ondas e me viajas as profundezas de um … Continue lendo Vidas passadas só que paralelas

Gratidão

aos que aqui agora lutam sangram batalham por minorias expresso minha gratidão e vos digo: não será em vão! cada passo cada grito cada bala que carregamos no peito são escadas da evolução. viver é sentir amar construir perder chorar aprender criar e dançar, a morte é ilusão morre todo dia quem não se levanta … Continue lendo Gratidão

Corpo-computador

Corpos-computadores dados criacionais gravados em DNAs o acesso é árduo obriga-nos a computar dores apegos crenças falsos amores vasos em que plantamos sonhos estáveis demais para serem reais. O fluxo constante impede-nos o estanque do instante criado em esperança de se eternizar a criança não dorme não descansa com vistas a construir melhor dança que … Continue lendo Corpo-computador

Carnaval

mais uma vez carnaval. veio e foi igual vendaval. do meu equilíbrio, fez excesso e me lambuzei. como, senhor, eu gostei. e gosto... dos gostos sabores amores por onde passei... não me enclausurei. os cheiros as peles as penas e lembranças moram no peito e pra Terra, me entrego. completo inteiro e certo de que … Continue lendo Carnaval

Perdão

Nas mãos vejo mapas. predisposições a reações escritas em passados. em muito era maltratado, parte de um jogo emocional... perdido... logrado em trocas defasadas por um amor cobrado. não sentido. imaginado. limites não impostos que portas fecharam. dentro. no peito, dilacerado. só queria amor, ganhava exageros incompreensões. individualizadas intenções. pra um tem noção. em dois, … Continue lendo Perdão

Geometria

lápis borracha papel círculos triângulos quadrados a realidade a dimensão geometrias, em dispersão números úteros parem mundos e submundos passo a passo cibernético ilusão imagético. Felipe Abras

O corpo nu

o corpo veste a alma e nunca se cala a expressão e a calma, da alma do corpo objeto da criação é criação constante células vibrantes cantantes dançantes por liberdade por expressão da alma mas a calma se cala e o grito emerge da alma quando o sexo o falo e a falta são impostos … Continue lendo O corpo nu