Solar

Energia

Flui naturalmente

De dentro de nossa mente

Intenções

Além do bem e do mal

Reverberam em dispersões

Eco

Do que pensamos

Criamos

Voos

Imaginados

Criam asas

De dentro de nossas casas

Confluências

Desejos de permanência

Constringem a existência

Do amar

A imensidão infinitesimal

Compactada

Em um só lar

Quando pode ser tão grande

Quanto a energia solar.

Energia

Inesgotável

Ainda recuperável

Há crença de escassez

É o homem

Que em languidez

Desacredita-se Deus

Infinito

Criando a fome de acúmulo

De medo

De não ter

O que nem é, em verdade

Patrimônio

Está mais pra pandemônio

Egos

Perdidos

Faltosos

Alguns tentam ser harmoniosos

Não conseguem

Esquecem-se inconscientes

Da inerente inexistência

Sutil

Da matéria

Que não é pedra

Mas rio

Constante a jorrar

Informações

Em belas canções

Que deságuam nosso amar.

Felipe Abras

9 comentários em “Solar

  1. “Nao resta outro que aplaudir” -Ir para conteúdo
    FELIPE ABRAS

    MULTIDIMENSÕES DE UM DESPERTAR
    MENU

    Solar
    fevereiro 21, 2017 por felipe abras, publicado em poematerapia, poesia, poesia e espiritualidade
    Energia

    Flui naturalmente

    De dentro de nossa mente

    Intenções

    Além do bem e do mal

    Reverberam em dispersões

    Eco

    Do que pensamos

    Criamos

    Voos

    Imaginados

    Criam asas

    De dentro de nossas casas

    Confluências

    Desejos de permanência

    Constringem a existência

    Do amar

    A imensidão infinitesimal

    Compactada

    Em um só lar

    Quando pode ser tão grande

    Quanto a energia solar.

    Energia

    Inesgotável

    Ainda recuperável

    Há crença de escassez

    É o homem

    Que em languidez

    Desacredita-se Deus

    Infinito

    Criando a fome de acúmulo

    De medo

    De não ter

    O que nem é, em verdade

    Patrimônio

    Está mais pra pandemônio

    Egos

    Perdidos

    Faltosos

    Alguns tentam ser harmoniosos

    Não conseguem

    Esquecem-se inconscientes

    Da inerente inexistência

    Sutil

    Da matéria

    Que não é pedra

    Mas rio

    Constante a jorrar

    Informações

    Em belas canções

    Que deságuam nosso amar.

    Felipe Abras

    SHARE THIS:
    TwitterFacebookGoogle

    RELACIONADO

    Eco
    Em “Informação e autoconhecimento”

    Tudo é mente
    Em “poematerapia”

    Nós
    Em “poematerapia”
    com a tag acúmulo, além do bem e do mal, amar, amor, asa, canção, casa, crença, deus, dispersão, eco, ego, existência, falta, fluxo, fome, harmonia, homen, imensidão, inconsciente, infinito, informação, intenção, languidez, lar, matéria, medo, mente, pandemônio, patrimônio, pedra, reverberar, rio, sol, solar, sutil, voo
    NAVEGAÇÃO DE POSTS
    POST ANTERIOR
    Sinais
    PRÓXIMO POST
    Chamado
    DEIXE UMA RESPOSTA
    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

    COMENTÁRIO

    NOME *

    EMAIL *

    SITE

    Avise-me sobre novos comentários por email.

    SEGUIR BLOG VIA EMAIL

    Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

    SEARCH

    Pesquisar por:
    EU?

    Eu não sou nada além de movimento. Às vezes, paro, penso e só vento. Há uns 4 anos, eu ainda era farmacêutico. Este ano nasci yogi e achei mais terapêutico. Hoje eu sou poeta, ontem foi só trabalho. Amanha, talvez, atleta, pode ser que eu queira ser pintor. Se eu conseguir lidar com a dor, talvez eu viva uma rotina… Tenho estado meio do dia, mas se a luz me tarda, é a lua que me guia. Gosto de brincar de terapias. Tiro a máscara e enxergo a essência, mas para a evolução, levo dias… Dia ou outro, estou filósofo. Problema é que quando penso, estou divagando em meus miócitos… Nem sempre estou afim, mas, quando quero, danço até o fim… Não vejo necessidade de estar certo. Até porque, se eu vejo certo, você pode ver errado. E o meu errado é o seu certo. Será que existe um único certo? Acho que todos tem o mesmo direito ao seu próprio certo! E também ao errado. Qual o problema de ser o avesso do que eu planejei? Depois de tantos planos, só enxergo que viajei. Como agradeço por tudo que passei. Mergulhei vazios sedentos por terra, quase me afoguei na matéria, mas os ventos ansiosos que velejei findaram a ilusão. Agora estou mais para Platão. Em tudo que eu encontrei, não vi muita razão. Mesmo sem tanta intenção, a única saída foi seguir meu coração.

    Curtir

  2. To babando aqui com sua poesia é sua forma de se expressar. Tenho que rever tudo com calma pelo meu PC é não pelo meu celular. Nele, ainda me enrolo é a leitura também me fica ruim. Parabéns pelo trabalho, estarei sempre por aqui com certeza!☺

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s