Tudo é mente

Entrego a morte ao diabo
Ele mesmo que foi inventado
Que cuide da criação da mente material.
Pratos rasos superfícies
Não cabem tamanha deturpação
Do maldito imaginário
De quase toda a população.
Tudo é mente
Não invente!
Ninguém morre
Vai pra Casa.
Se os micróbios se aprazem com carne podre
Não serei eu a matar fome dos mais tolos.
Já me canso de tentar dizer,
Não há mais pranto, é só prazer.
Esqueçam o risco do já perdido
Distorçam o bronze em prol dos brincos
E façam mel da água podre.
Não há sentido sofrer, bendito
São só apegos, desilusão
Costure a pele, siga erguido
Não há quem jaz, sofreguidão.

Felipe Abras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s