Solidão

Sozinho me sentia e não sabia porquê
Será que era falta de ser com a mãe?
Não via outra saída
A não ser gritar a recaída.

Não havia alguém ao lado
Pressentia não ser amado.
Para qualquer sofrimento
Meu remédio não era lamento.

 O álcool era companhia,
Até o sol dar suas asas
Minha solidão eu embriagava.

Beber não adiantou
O medo sempre reinou
Fez da paz, ausência
Pois não vivi sua presença.

Depois de muitos porres, percebi
Não era a mãe que faltava,
No peito ardia o buraco
Da morada que eu me arrancava.

Juntei os prantos, escancarei
Meu coração eu explorei
Foi quando a realidade berrou a verdade
O que faltava para a liberdade
Era me juntar com a divindade.
 


Felipe Abras

16 comentários em “Solidão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s