Socorro!

Ah, o tempo insiste em girar só não insiste em te retirar daqui deste espaço, ilusório hoje oco de você. Quem é este que busco? Ele não parece dar atenção aos gritos por perdão: Socorro! Não quero ter que subir o morro da disciplina, só para reconhecer (mais uma vez) que este alguém que procuro … Continue lendo Socorro!

Eclipse

A Lua, entre o Sol e Terra instiga-nos o progredir a evolução para que o nosso fluir seja menos baseado em matéria mas em equilíbrio entre o precipício e o início de um novo povo de um novo Ser que aprendeu do sofrer os limites que o barravam e o limitavam a estrada, o amanhecer. … Continue lendo Eclipse

Caminhos tortos

A gente tenta ser mais, mas o frio esquenta e sem mais, viver a esmo vira mais uma nuance do cabresto este ponto que nos retiramos e aos poucos nos enganamos sobre o que pode ser ou sobre o que queremos ter, o conforto parece asas eleva-nos a quartos escuros a submundos, de nós mesmos … Continue lendo Caminhos tortos

Se é de átomo, dança!

Se é de átomo dança pegue seus óculos e repare diáfano é o espaço vasculhe bem dentro ache seu centro irá entender que nosso viver não é estático é onda viaja. É um falso desejo de estagnação que para o compasso e faz tanto caso da Criação. Felipe Abras

Encontre-se!

Ontem, revisitei o passado memórias vieram à tona e eu nada pude fazer além de chorar pra caralho. Foi bom a emoção sentir que muito do que me limita aqui agora são sofrimentos de outra hora mal compreendidos por um garoto que não compreendia porque todos brigavam e sofriam por tanta coisa sem sentido. De … Continue lendo Encontre-se!

Ainda há esperança

A impermanência é a verdade Não importam os planos Ou a idade. Se gostamos de onde estamos Pode ser apego Ao que temos ou somos, Mas se houver necessidade A vida nos fará a mudança Não importa o credo A crença Ou a dança. Mas não nos preocupemos tanto Para todos, ainda há esperança. Felipe … Continue lendo Ainda há esperança

Cantando

Nós somos nossos limites que transpomos crescemos em cada batalha que travamos e saímos sem os cabrestos Cantando. Felipe Abras