Onde eu me encontro?

o barulho escuto lá fora é o grito geme aqui dentro a loucura enxergo lá fora é a procura arde aqui dentro o mal condeno lá fora é a faca me corto aqui dentro felicidade buscam lá fora eu me rasgo pra achar aqui dentro tortura sofrem lá fora eu me imputo sofro aqui dentro … Continue lendo Onde eu me encontro?

Geometria

lápis borracha papel círculos triângulos quadrados a realidade a dimensão geometrias, em dispersão números úteros parem mundos e submundos passo a passo cibernético ilusão imagético. Felipe Abras

Desalento

As palavras tentam me sair sou eu que me saio perscruto exteriores almejando interiores bato a cabeça em maus amores julgamentos baseados em dores sou eu ou sou ele? eles vocês nós quem somos? vestígios de guerras pós ou martírios quimeras nós? penso penso penso quando percebo estou desatento ao que estou: ausente presente na … Continue lendo Desalento

Sou Bruxa

Sou Bruxa estou aqui para queimar o antigo e o sofrido tempo, por qual passamos inebriados por nós mesmos frutos de escolhas que mais eram sociais que nos trouxeram paz. Sou Bruxa já morri queimada sou eterna voltei pra renovar o que não pude acabar. Sou Bruxa minha magia é destruição fogo renovação se você … Continue lendo Sou Bruxa

Espaço-tempo

Poetizo o espaço não sou feito de aço mas sei que o que faço é tentar me livrar dos sapatos com certeza nasci para andar mas descalço. Poetizo o tempo o momento a cada instante um velho tormento morre e estou mais presente em cada arrepio a pele me sente. Felipe Abras

lei da atração

o universo é paciente e está ciente de todas nossas escolhas feitas desfeitas refeitas a cada vinho que tiramos a rolha. O corpo é um emaranhado de células átomos mas ondas e em cada caso pensado ele nos responde se foi amado ou desrespeitado. as possibilidades são infinitas sejamos um monge ou uma mente aflita … Continue lendo lei da atração

Desconstrução

O corpo é fluido a pele é pena a memória é até pequena mas do intuito, eu me lembro: é desconstrução de emoções, que alguns membros arrancaram e me relegaram à separação. hoje, desconstruído olho-me o umbigo e me equilibro a razão ela não manda mais apesar de ainda tentar afogar minha paz. Felipe Abras